Cientistas criam aparelho para “ouvir” pela língua


Cientistas criam aparelho que permite "ouvir" pela língua.

No futuro, pessoas com perdas auditivas podem não mais precisar de implantes cocleares para restaurar seu senso de som. É que pesquisadores da CSU (Universidade do Estado do Colorado), dos Estados Unidos, desenvolveram um aparelho para”ouvir” pela língua.

A tecnologia do aparelho para “ouvir” com a língua se baseia em um fone de ouvido com Bluetooth para detectar o som e enviar impulsos elétricos para uma placa com eletrodos que usuários pressionam na língua.

“É muito mais simples do que passar por uma cirurgia e acho que vai ser muito menos dispendioso do que os implantes cocleares“, afirmou John Williams , professor associado do Departamento de Engenharia Mecânica e o líder do projeto.

Encontrando a chave para “ouvir” com a língua

Williams teve a ideia para o dispositivo durante o que ele chama de crise de meia idade da pesquisa.

O engenheiro mecânico passou muito tempo de sua carreira desenhando e construindo sistemas de propulsão para viagens espaciais. Apesar de amar seu trabalho e ainda conduzir pesquisas nessa área, William diz que muitas mudanças aconteceram.

“A NASA agora usa propulsão elétrica no espaço. Não há mais o que fazer para otimizar a tecnologia, mas nós alcançamos o que pretendíamos fazer”

Williams queria expandir sua pesquisa e ficou interessado em neurociência e sensores de substituição – treinando o cérebro para receber informação de outra fonte. Ao mesmo tempo, Williams desenvolveu zumbido no ouvido. Anos trabalhando com vácuos poderosos usados para simular o espaço tiraram a habilidade dele de escutar altas frequências. O diagnóstico o levou a pesquisar implante coclear e os prós e contras dos dispositivos.

Ele considerou toda a informação e bateu em cima de seu novo projeto: ouvir com a língua.

A língua possui centenas de nervos e a região do cérebro que interpreta sensações de toque da língua é capaz de decodificar informações complexas.“O que estamos tentando fazer é uma nova forma de substituição sensorial”, diz o pesquisador.

“Ouvindo” com a língua

Ao contrário dos aparelhos auditivos, que amplificam o som, os implantes cocleares circundam áreas danificadas do ouvido e estimulam a audição do nervo diretamente.

Microfones do lado de fora do ouvido detectam o som e o enviam para um processador de linguagem, que analisa a informação e a transmite para um receptor onde é convertido em impulsos elétricos. O implante manda esses impulsos diretamente para o nervo auditivo. Com treinamento, o cérebro é levado a reconhecer esses impulsos com informação sonora útil.

O dispositivo da Universidade do Estado do Colorado opera de maneira parecida exceto pelo fato de que impulsos elétricos são enviados via Bluetooth para uma espécie de receptor embalado em um bocal com eletrodos. Quando os usuários o pressionam contra a língua, sentem um padrão distinto de impulsos elétricos como uma sensação de vibração.

A ideia é que, com treinamento, o cérebro aprenderá a interpretar esses padrões específicos como palavras, permitindo assim que alguém ouça com a sua língua.

O conceito do aparelho para “ouvir” com a língua não é distante quanto soa inicialmente. Foneticistas conseguem identificar palavras por meio de uma série de linhas em um sonograma. E pessoas que perderam a visão conseguem aprender a “ler” palavras novamente em Braille.

A noção de que o cérebro humano está pronto na vida adulta e, portanto, é incapaz de mudar a forma como ele recebe e interpreta informação é inexato, afirma Leslie Storne-Roy, professora assistente no Colégio de Medicina Veterinária e Ciências Biomédicas.

“Nós temos uma notável quantidade de plasticidade em nosso cérebro, mesmo quando adultos”, disse ela. “Sabemos agora que o cérebro é capaz de fazer mudanças e adaptar-se, especialmente aos estímulos que são de importância para o indivíduo”.
Williams e sua equipe acreditam que, uma vez refinada, a tecnologia poderia virar de cabeça para baixo o mundo de implantes cocleares.

Alternativa para os implantes cocleares

Embora os implantes cocleares sejam consideradas as próteses mais famosas, elas estão longe de serem perfeitas.

Médicos inserem dispositivos dentro da estrutura da orelha, perto do nervo auditivo. O procedimento cirúrgico tem riscos inerentes e pode causar danos à sensibilidade das células que transmitem o som para o nervo auditivo.

Implantes cocleares não são para todos. Eles tendem a funcionar melhor em pacientes jovens como crianças com alguma perda auditiva. Os candidatos precisam ter o sistema auditivo intacto para que os implantes funcionem e ainda são caros.

“Implantes cocleares são muito eficientes e transformaram muitas vidas, mas nem todos são candidatos a ter um”, diz Williams. “Pensamos que o aparelho para ‘ouvir’ com a língua será tão efetivo quanto o implante, mas irá funcionar para muitas pessoas mais e custará menos”

Entenda como funciona

  1. Um microfone ligado a um receptor detecta o som
  2. Sons e palavras são transmitidos para um processador onde são convertidos em padrões que representam palavras
  3. O processador envia esses padrões de impulsos elétricos para um receptor bucal repleto de eletrodos
  4. O usuário pressiona a placa contra a língua para sentir os padrões distintos dos sons
  5. Com treinamento, o cérebro será capaz de escutar e interpretar os sons
Tópicos: Aparelhos Auditivos, Saúde Auditiva

Outubro Rosa

01/10/2013

arrow-up