Aparelhos Auditivos Digitais: Tudo que você precisa saber sobre eles


Aparelho Auditivo Digital

Os aparelhos auditivos digitais estão se tornando cada vez mais sofisticados, discretos e funcionais

 

A tecnologia evolui rapidamente e, a cada dia, surgem produtos bem melhores do que aqueles que estávamos habituados a utilizar.

As televisões que antigamente eram tubo praticamente não existem mais. Hoje em dia os aparelhos são cada vez mais finos e maiores. E não foi só a parte estética que mudou não. A tecnologia de recepção do sinal também.

Esse mesmo processo de evolução aconteceu com os aparelhos auditivos. Desde a parte estética até o funcionamento desses dispositivos são resultados da tecnologia.

Hoje, os aparelhos auditivos se transformaram em miniatura de computadores, com toda a flexibilidade de programação que você esperaria de um computador moderno. E o melhor é que tudo isso é pensado para eliminar os sintomas da perda da audição.

Quer saber como os aparelhos auditivos digitais funcionam e como eles podem ser úteis para quem tem problema auditivo? Então continue a leitura.

 

Como funcionam os aparelhos auditivos digitais?

Os aparelhos auditivos são formados por três componentes principais: o microfone, o processador e o alto-falante.

O microfone capta os sons do ambiente e os transmite para o processador. Este, por sua vez, amplifica os ruídos e converte o som em sinais elétricos. Por fim, o alto-falante, também chamado de fine de ouvido, transmite os sinais para o ouvido do usuário, que percebe o som claramente.

Para uma melhor experiência auditiva, os aparelhos amplificam especificamente os sons necessários para a comunicação do usuário e reduzem o ruído de fundo. Esse processo é feito de forma automática, de acordo com os ajustes específicos para cada pessoa.

 

Os aparelhos auditivos apenas “aumentam o volume”?

A perda auditiva não significa apenas que a pessoa ouve os sons mais baixos do que realmente são. Muitas vezes os ruídos são percebidos de formas diferentes.

Dependendo do nível de perda auditiva, os indivíduos podem perceber apenas os sons a partir de um certo volume, que são mais fortes do que os sons percebidos pelas pessoas com boa audição.

Alguns sons podem até causar dor e desconforto, enquanto outros não são captados pelos ouvidos. É por isso que, em muitos casos, apenas “aumentar o volume” não é suficiente para amenizar o problema auditivo.

Se tudo for amplificado, uma sirene de ambulância, por exemplo, seria insuportável de se ouvir. O volume correto do aparelho auditivo é ajustado pelo fonoaudiólogo de acordo com o tipo e a causa da perda de audição e as necessidades de cada paciente.

Além do volume geral do som, o aparelho auditivo deve ampliar as frequências que o usuário não ouve muito bem. As tecnologias de última geração permitem que os dispositivos compensem com precisão cada perda auditiva em diferentes canais de frequência.

Os aparelhos auditivos também são programáveis para amenizar os sintomas da perda de audição em diversas situações. Quando você está em um restaurante, por exemplo, tem uma necessidade auditiva diferente de quando está ouvindo música.

 

Recursos avançados dos aparelhos auditivos

Além da tecnologia básica, os aparelhos auditivos podem ter recursos avançados para proporcionar uma experiência auditiva ainda mais valiosa. Confira as principais funcionalidades avançadas para as próteses auditivas.

 

Gerenciamento de Feedback

Esse recurso está presente na maioria dos aparelhos auditivos, inclusive nos modelos mais básicos. Ele serve para eliminar o efeito do feedback, um ruído incômodo que pode acontecer com o uso dos aparelhos.

 

Redução de ruído

Essa é outra funcionalidade essencial em um aparelho auditivo. A redução de ruídos permite eliminar e reduzir o volume dos sons de fundo que prejudicam a compreensão.

 

Microfones direcionais

Essa funcionalidade ajuda o usuário a ouvir os sons que interessam e reduz outros barulhos ao seu redor. Os microfones direcionais amplificam sons originados na parte frontal do usuário ou na direção em que a pessoa está posicionada e reduz o ruído das laterais ou atrás do usuário.

 

Conectividade sem fio

Em um mundo cada vez mais conectado, as pessoas com problema auditivo não precisam se excluir. O recurso de conectividade permite que os aparelhos auditivos digitais se conectem com outros dispositivos eletrônicos.

É possível receber chamadas do celular, ouvir música, TV e ouvir outras mídias diretamente pelos aparelhos auditivos.

Leia mais neste artigo: Tecnologia Revoluciona Audição

 

Tipos de aparelhos auditivos

Existem vários tipos de aparelhos auditivos digitais. O modelo ideal depende das necessidades do usuário, habilidades para manusear o dispositivo, estética, tipo e causa da perda de audição.

  • Micro Canal (CIC): é um dispositivo interno e indicado para pessoas com o canal auditivo largo. Ele é praticamente invisível e pode ser usado em caso de perdas auditivas leves a moderadas;
  • Intra Canal (ITC): esse modelo fica levemente visível na orelha externa. Ele é disponível no tamanho tradicional com maior potência ou o Mini-ITC, com captação de sons reduzida;
  • Retroauricular (BTE): esse é um dos modelos mais antigos e recomendado para pessoas com perda de audição leve a profunda. Ele fica posicionado na parte de trás das orelhas e transmite o som para dispositivo localizado no canal auditivo;
  • Retroauricular (MBTE): é menor que o retroauricular tradicional e indicado para casos de perda leve a severa. É uma opção versátil, potente e ainda tem um custo mais acessível;
  • Open Fit: um modelo bem discreto e recomendado para casos de perda auditiva leve. Ele possui um dispositivo que se encaixa atrás da orelha e é conectado até um alto-falante dentro do canal da orelha;
  • RIC: esse é um dos modelos mais modernos, recomendado para pacientes com surdez leve a moderadamente severa. É muito popular entre os pacientes por ser confortável e discreto.

 

Teste os aparelhos auditivos

Ler e entender sobre o funcionamento dos aparelhos auditivos é uma coisa, experimentá-los é outra. Por isso, é importante testá-los antes de realizar a compra.

E para aproveitar ao máximo todas as suas funcionalidades, um especialista em audiologia deve conhecer a causa da perda de audição e fazer a regulagem dos dispositivos.

É nesse momento que a Direito de Ouvir será fundamental para resolver seu problema auditivo. Todas as clínicas possuem fonoaudiólogos especializados para indicar as melhores próteses para o seu caso, além de fazer todo o acompanhamento no processo de adaptação.

Outra vantagem da Direito de Ouvir é permitir um período de teste. É possível testar os aparelhos por de sete dias sem nenhum custo. Assim, você tem mais chances de encontrar o modelo que diminua ao máximo os sintomas da perda da audição.

Para experimentar todos os benefícios dos aparelhos auditivos digitais, agende uma consulta com a Direito de Ouvir.

Tópicos: Aparelhos Auditivos
arrow-up