AAO-HNS publica estudo sobre surdez súbita


academia-americana-otorrinolaringologia-guia-surdez-subita

Em 1º de março de 2012, foi divulgada pela Academia Americana de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (AAO-HNS) uma recomendação sobre surdez súbita. O “Guideline”, publicado como suplemento da revista Otolarngology Head and Neck Surger, foi desenvolvido por um grupo multidisciplinar buscando fornecer diretrizes para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento da surdez súbita.

Baseada em evidencias, essa é a primeira recomendação publicada sobre o assunto nos Estados Unidos. “Aqui no Brasil, ainda não temos um consenso sobre surdez súdita, vários serviços de ORL tem seus protocolos específicos, mas esses diferem bastante entre eles”, explica a medica otorrinolaringologista do Serviço de Atenção á Saúde Auditiva da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), a Dra Lys Gondim.

Tratamento para a surdez súbita

Considerando a surdez súbita como parte de uma afecção sistêmica, a recomendação destaca a importância do diagnóstico “correto” do problema. É importante distingui-lo das perdas auditivas condutivas “mecânicas”, definindo a surdez súbita idiopática como os casos em que a audiometria confirma uma perda superior a 30 decibéis em três frequências consecutivas.

De acordo com o texto, a terapia inicial deve incluir corticoterapia (sistêmica ou intratimpânica); a oxigenoterapia hiperbárica por ser oferecida, apesar desta indicação ainda não ter sido aprovada pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos para estes casos.

A recomendação salienta também a importância do aconselhamento e do seguimento destes pacientes por meio de orientações sobre a história natural de doença, os riscos e os benefícios dos tratamentos, e as limitações da sua eficácia. Audiometrias seriadas devem ser realizadas a cada seis meses e recomenda-se a indicação de aparelhos auditivos para os casos onde não haja recuperação completa da audição.

“É muito importante a publicação de tal documento, pois assim temos respaldo científico, digo, medicina baseada em evidencias, o que nos deixa mais seguros na nossa atuação frente a este problema”, avalia Lys Gondim que lembra que cada caso é especifico e que é preciso direcionar o manejo, o follow up e o tratamento sempre de acordo com a história clínica e o exame físico do paciente.

Sobre a surdez súbita

A Surdez Súbita acomete de 5 a 20 pessoas em 100 mil habitantes, sendo diagnosticada em cerca de 2% das consultas em otologia. São registrados 4.000 novos casos nos EUA. “No Brasil não temos dados epidemiológicos, mas a casuística do nosso Serviço de Saúde Auditiva, considerando somente as consultas em otologia, fica em torno destes mesmos 2%”, relata Lys Gondim.

Artigo publicado na área Atualidades da Revista Audiology Infos nº14 março/abril 2012, p.5, pelo redator-chefe Stéphane Davoine (SD).

Tópicos: Saúde Auditiva
arrow-up