Tenho um Zumbido que me atrapalha ouvir! (Dra. Andréa Varalta Fonoaudióloga)


“Estudos mostram que o zumbido também pode ser causado quando a cóclea, que é a parte fundamental do sistema auditivo humano responsável por transformar um final acústico em um sinal elétrico, é seriamente afetada.”

Nunca tive tanto paciente com a mesma queixa quanto nos últimos dois anos. E me parece aumentar o número de queixas a cada dia. O zumbido, ou ainda acúfeno, tinnitus ou tinido, é uma sensação auditiva cuja fonte não advém de estímulo externo ao organismo, é um sintoma associado há várias formas de perda auditiva.

Várias são as causas que podem dar ensejo ao sintoma, como muita exposição prolongada com sons acima do volume limite para a saúde humana (85 decibéis). Existem outros problemas de saúde, tais como, alergias tumores, problemas cardiovasculares, alterações na região do pescoço, inflamação do ouvido médio nas crianças, perda auditiva por doença das meninges (meningite), tumor cerebral, diabetes, e muito importante, problemas na área da coluna cervical.

O uso de alguns medicamentos também pode causar tinitus, tais como os pertencentes aos grupos dos diuréticos, antibióticos, cardíacos, e de combate ao câncer. É importante salientar que esta enfermidade deve ser tratada por uma equipe multidisciplinar (otorrinolaringologistas, dentistas, fonoaudiólogos, psicólogos, fisioterapeutas e musicoterapeutas) devido sua origem multifatorial. Diversos trabalhos relacionam os sintomas auditivos subjetivos à íntima relação anatômica e otogenérica entre o ouvido médio e estruturas mastigatórias (nos casos de perda da dimensão vertical de oclusão, má oclusão, deglutinação atípica, apertamento de dentes, ranger de dentes, entre outras).

Estudos mostram que o zumbido também pode ser causado quando a cóclea, que é a parte fundamental do sistema auditivo humano responsável por transformar um sinal acústico em um sinal elétrico, é seriamente afetada. Na cóclea estão localizadas as células ciliadas cuja distribuição é similar a um teclado de piano. Quando as ondas sonoras atingem essas células, elas convertem as vibrações em correntes elétricas que nossos nervos auditivos levam para o cérebro. Cada uma dessas células ciliadas é responsável por detectar uma vibração ou uma frequência específica de som, assim como cada tecla de um piano é responsável por emitir uma frequência de som específica. Quando essas células são danificadas, elas começam a “gritar”, pois seus estereocílios ficam danificados e continuam enviado, por engano, informações sonoras ao cérebro. Sendo assim, o zumbido ocorre porque as pontas de alguns estereocílios rompem-se.

A seguir estão alguns exemplos de causas:

  • Um ruído súbito de alto volume, como uma explosão ou exaustão de um motor a jato;
  • Exposição prolongada a ruídos ambientais, incluindo música alta através de alto-falantes (em boates ou em concertos e shows), aparelhos de som, ambientes de trabalho barulhentos sem proteção auricular (industrial, automobilístico, etc.);
  • Perda de audição;
  • Traumatismo craniano, especialmente no caso de fratura da base craniana;
  • Drogas: Overdose de aspirina, diuréticos e outros;
  • Disfunção temporomandibular e da coluna cervical;
  • Otite;
  • Otosclerose.

Se você possui zumbido procure um fonoaudiólogo. A Rede de Clínicas Direito de Ouvir possui profissionais espalhados no Brasil inteiro. Faça seu cadastro pelo site http://goo.gl/17Hw0 e nossas secretárias entrarão em contato e irão encaminhar você para um fonoaudiólogo mais próximo de sua localidade.

Tópicos: Zumbido
fonoaudiologa-direito-de-ouvir-som-academia

Abaixe o som

18/02/2014

arrow-up