Zumbido nos dois ouvidos? A causa pode ser hereditária


O zumbido no ouvido, também chamado de “tinnitus”, é um problema auditivo bastante comum e, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 278 milhões de pessoas sofrem com o zumbido no ouvido, sendo 28 milhões de brasileiros. Para grande parte dessas pessoas, o zumbido no ouvido é uma condição extremamente negativa que afeta atividades cotidianas, trabalho, a produtividade e o sono.

O zumbido no ouvido não é considerado uma doença, e sim um sintoma relacionado a outros problemas de saúde e fatores ambientais, como envelhecimento, por causa da perda auditiva ou exposição a altos níveis de ruído.

Não existe uma cura efetiva ou um único tratamento que seja eficiente para acabar com o zumbido por causa da diversidade de fatores que desencadeiam a condição. Em casos de perda auditiva, por exemplo, é recomendado o uso de aparelhos auditivos para amenizar os ruídos. Mas algumas descobertas recentes podem abrir caminhos para novos tipos de tratamento.

Uma pesquisa realizada pelo instituto sueco Karolinska Institutet (KI) mostra que o zumbido em um ouvido (unilateral) e em ambos ouvidos (bilateral) são diferentes. O ruído que ocorre em apenas um ouvido é frequentemente associado a fatores ambientais, enquanto o zumbido nos dois ouvidos pode ter causas genéticas. Além disso, o estudo mostra que o zumbido bilateral é mais comum em homens do que em mulheres.

Sobre o estudo
O estudo foi baseado em dados de 10 mil pares de gêmeos que fazem parte do registro sueco de gêmeos. Após identificar os indivíduos com zumbido no ouvido, os pesquisadores analisaram a ocorrência do problema auditivo de forma geral e, em seguida, agruparam os resultados por sexo, zumbido em uma orelha e em duas orelhas.

O resultado obtido mostrou que o zumbido bilateral atingiu um nível de 68% em homens, um índice que se aproxima de outras condições classificadas como hereditárias, como é o caso de autismo e TDAH. O grau de hereditariedade em mulheres foi de 41%.

Portanto, o estudo mostrou que há uma herança significativa para o zumbido nas duas orelhas, onde a influência genética dominou os fatores ambientais.

Tratamento para o zumbido
Os pesquisadores acreditam que esse resultado surpreendente pode contribuir para novos tipos de tratamento para o zumbido no ouvido futuramente. A partir dessas descobertas, espera-se que surjam novos estudos genéticos e uma melhor compreensão sobre o tinnitus, além de aumentar a conscientização para o problema auditivo.

Atualmente, o tratamento para o tinnitus é baseado em uma entrevista sobre a saúde geral do indivíduo, testes para identificar o nível e as características do ruído, além de um exame de audição para detectar se há alguma perda auditiva.

Depois de identificar os sinais e possíveis causas para o zumbido, vários tratamentos podem ser relevantes. O método indicado depende da gravidade do problema, se o problema surgiu por causa da perda auditiva, entre outros aspectos. Alguns tratamentos mais comuns são:
Aparelhos auditivos;
● Terapia de som;
● Terapia comportamental;
● Terapias alternativas, como acupuntura, musicoterapia e técnicas de relaxamento;
● Medicamentos para tratar a condição que originou o zumbido.

Tópicos: Zumbido
arrow-up